OS TEMPLOS

Passados os trâmites normais entre o pastor Mahler e o Sínodo de Missouri, veio ele ter com os moradores do bairro São Geraldo e, atendendo ao pedido, tratou de agilizar a normalização de uma escola para as crianças. Logo alugou um local para alojar os alunos. Por 10.000$000 réis (Dez mil réis) conseguiu um prédio antigo, no Caminho Novo (hoje Voluntários da Pátria), esquina Avenida Brasil (à direita de quem está em frente à Avenida Brasil e de costas para o rio Guaíba) onde funcionara uma fundição (mais tarde o IRGA), e tratou de preparar a instalação da escola. Era o embrião do Colégio Concórdia e da Comunidade Evangélica Luterana Cristo.

As aulas iniciaram-se no dia 29 de setembro de 1902 com 10 alunos. E, a 2 de novembro desta mesmo ano, o primeiro culto luterano confessional (ortodoxo) de Porto Alegre era ministrado na presença de 34 pessoas.

Decorrera pouco  mais de um mês e era fundada a primeira Comunidade Evangélica Luterana Alemã de Porto Alegre (Deutsche Evangelische-Lutherische Gemeinde zu Porto Alegre) 07/12/02 tendo como pastores os reverendos Carl Gustav Wilhelm Mahler e Henry A. Klein.

O lugar da escola era acanhado, velho e sujo, mas satisfazia às necessidades iniciais de uma comunidade incipiente e com poucos membros.

Passados alguns poucos anos, a Deutsche Gemeinde crescia e o espaço ocupado já se tornava pequeno. Então seus membros resolveram construir uma igreja mais condizente com a importância que tinha e  com mais espaço.

O 1º TEMPLO

Com o firme propósito de construir um local paracultos, os membros saíram à busca de uma área adequada. Encontraram uma propriedade pertencente ao sr. Manuel Py e esposa, que estava localizada entre as ruas Minas Gerais (hoje Farrapos) e Eduardo (hoje Presidente F.D.Roosevelt), na Av. Pátria. Um local mais centralizado e melhor posicionado na Freguesia de Nossa Senhora da Conceição (hoje bairro São Geraldo). Próximo de onde se achava provisoriamente instalada a escola e o local de cultos.  Após as gestões, a Deutsche Gemeinde comprou de Manuel Py e esposa, a área de terras naquela avenida, para ali, em  25 de  agosto de 1907, lançar a pedra fundamental e dar início à construção do prédio que, por 15 anos, serviria para culto e escola. O terreno, com 99,75m de extensão da Av. Eduardo até a Av. Minas Gerais com frente para a Av. Pátria., tinha uma profundidade de 36,45m. Para pagamento do lote, a comunidade contraiu um hipoteca sobre o imóvel, junto ao senhor Jacob Becker, no valor de dez mil cruzeiros (Cr$10.000,00. - Valor convertido de réis para cruzeiros) para pagamento num prazo de 5 anos ao juro anual de 8%. O título foi resgatado em 1913. A proposta de compra e venda do imóvel foi assinada no dia 26 de setembro de 1907. Para a obtenção da verba necessária à construção do templo, a Deutsche Gemeinde obteve ajuda financeira do Sínodo de Missouri e através da campanha junto aos seus membros que eram na sua grande maioria simples proletários.

 

Não se tem informação precisa quanto ao idealizador do projeto nem do engenheiro que  assinou a planta. A nova capela foi solenemente inaugurada e consagrada ao culto divino em 15 de dezembro de 1907. Na obra foram gastos 35.500 tijolos e 19.500$000 (Dezenove mil e quinhentos réis) juntamente com os móveis e utensílios necessários. Por medida de economia, a construção não recebeu torre.

 

A capela era encimada por uma cruz de concreto ainda hoje existente preservada e, colocada em local de honra a que faz jus.

No ano de 1907, o Instituto Concórdia (hoje Seminário Concórdia), fundado pelo reverendoJohannes A. Hartmeister no dia 27/10/03 em Bom Jesus, São Lourenço do Sul se transferem para Porto Alegre e passam a dividir, com a Comunidade Cristo e a Escola Paroquial, o espaço existentepara a preparação dos nossos pastores. Em agosto de 1908, a capela recebeu a instalação elétrica. A capacidade deste templo era de 120 pessoas aproximadamente.

 

 

Mas a comunidade continuava a crescer, e o espaço que era utilizado  pela escola e a igreja, se tornava cada dia menor. O local dos cultos dominicais era, nos dias de semana, dividido por biombos para dar privacidade aos professores e seus alunos, distribuídos nas diversas turmas. Em razão disto e pelo desconforto produzido na organização das salas de aula e do local para cultos, a comunidade resolve ampliar a capela proporcionando mais conforto aos frequentadores. As avenidas Pátria e Eduardo receberam aterro e calçamento e o pátio da capela ficou abaixo do nível das ruas. Face a esta nova situação, a comunidade resolveu vender uma parte da área para com o dinheiro poder aterrar os pátios internos e construir um muro para cercar a  propriedade. Além disso, resolveu, também, acrescentar um mezanino para o coro, uma sacristia e uma torre. Na torre por sobre a porta foi afixada a cruz de concreto que encimava a capela anterior, e também uma inscrição  com os dizeres – em alemão: “A Palavra de Deus e os ensinamento de Lutero – Jamais desaparecerão”.

Em fins de 1921, a comunidade compra do Sínodo por 25.000$000 (vinte e cinco mil réis) o terreno e a edificação do velho Seminário, construído em 1911 para ser usado como escola (In  Jubiläumsschrift der Ev. Luth. St Paulusgemeinde zu Porto Alegre – Prof. Paul W. Schelp - p. 29 - 1947). Como a placa com os dizeres “Seminário Concórdia” permanecia no seu lugar, a população do bairro deu à Escola Paroquial o nome de Colégio Concórdia.

Corria o ano de 1922 e a comunidade inaugura seu novo templo reformado, agora uma igreja. O projeto é assinado pelo engenheiro Francisco Bergamnn e tem as dimensões de 19mx9mx6m.  A capacidade deste templo reformado é de 150 pessoas, incluindo o mezanino do coro. O altar em estilo gótico que servira na capela e era de cor clara, mais tarde é pintado de escuro e permanece na 1ª e 2ª reformas. Este altar, com o púlpito e a  pia batismal, segundo consta, foram, em 1954, doados (para a CEL Cristo de Videira - Santa Catarina ou CEL São João, de São Vicente do Sul - RS).

Em 1926, 26 de dezembro, a comunidade assina contrato de compra e venda do imóvel pertencente à Sociedade de Viajantes Musterreiter Club, uma área de terras de 60,50m com frente à Av. União (hoje Av. Maranhão) por 36,40m, encostado ao terreno da CELC, destinado a construção dos pavilhões da Escola Paroquial, hoje Colégio Concórdia. Constituindo, assim, a área que hoje forma o belo patrimônio pertencente a CELC. Para a construção dos prédios da escola, a área de terras junto à Av. Minas Gerais e parte na Av. Pátria, bem como na avenida União,  foi fracionada em lotes menores e vendidos. Em 1927, todas as dívidas da CELC com o Sínodo, (U$ 4.000,00) provenientes da compra do terreno e prédio do Seminário Concórdia, estão saldadas.

Em 1932, a igreja sofre nova reforma. Desta feita, com o auxílio da Sociedade Auxiliadora de Senhoras, as paredes são levantadas em 1 metro, o telhado é refeito e o assoalho reformado, sob a tutela do Sr. Th. Boyen. Esta reforma é concluída em 1933 e a festa de inauguração é feita no domingo de Pentecostes desse ano. A cruz de concreto permanece no mesmo local e a inscrição na torre é alterada para Igreja Evang-Luterana Cristo.

Seis anos mais tarde, em 1939,  a nossa igreja recebe seu primeiro sino, doado pela Sociedade Auxiliadora de Senhoras, que nessa época já participava ativamente dos decisões da Comunidade. Um segundo sino é doado pelo senhor Waldomiro Schapke.

A Sociedade Auxiliadora de Senhoras além do sino do mezanino e da torre também patrocinou o muro em volta da igreja e outras benfeitorias.

Em 1941, veio a grande enchente que deixou parte de Porto Alegre sob as águas. O mesmo aconteceu com o patrimônio da CELC. Todo o patrimônio documental, hoje histórico, só foi preservado graças ao desvelo da família Evers, que já com a água lhes tocando os joelhos tiveram o desprendimento de colocar tudo em lugar protegido, segundo relato da irmã Elizabetha Evers. E com a enchente parte dos móveis e utensílios da igreja foram danificados. Bancos, mesas cadeiras, o piano da Juventude e muitos outros itens do nosso patrimônio sofreram danos que somente com o passar do tempo – e graças ao voluntariado de alguns dos seus membros - puderam ser restaurados e postos novamente em uso.

No ano de 1943, por doação do Departamento Feminino foram instalados, junto ao altar dois lindos vitrais. Obra de autoria do artista plástico Max Dobmeier e confeccionada na Casa Genta.

No ano de 1950, o terceiro sino foi doado pelo casal Ida e Danilo Einloft em agradecimento às suas Bodas de Prata em 10/04/41. Também em alusão às suas Bodas de Prata o Sr. Waldomiro Schapke doou a quantia de Cr$ 25.000,00.

 

O 2º TEMPLO

Em 1951, a comunidade resolve construir um novo templo, face à necessidade de espaço e a deterioração do prédio existente. Algumas sugestões são apresentadas e o croquis do engenheiro Max Hoffmann Schlüpmann é aprovado. A igreja nova é construída por sobre a igreja antiga que só é demolida por ocasião do assentamento do piso. Concluídas as obras,  a nova igreja é consagrada em culto divino no dia 05 de dezembro de 1954. Conta ela com 23x14x15 metros e uma torre de 36 metros de altura. 50 vitrais ornamentam seu interior com motivos bíblicos desenhados por estudantes do Seminário Concórdia (entre eles o nosso pastor Horst R. Kuchenbecker) sob a supervisão do artista plástico Sr. Karl Julius Wolfgang Rupp (falecido em 18/01/99 e repousando em nosso Cemitério Luterano) que assina os vitrais frontais da igreja. Os vitrais foram todos confeccionados pela Casa Genta com vidro importado da França que receberam um jato de areia para eliminar o efeito reflexo -  este último trabalho foi feito quando os vitrais já estavam prontos e colocados, tiveram que ser desfeitos, jateados e refeitos um a um. Os vitrais foram doados por diversos membros, individualmente. Setenta e quatro bancos novos são agregados aos existentes e a sua confecção é dada ao senhor Romano Reif. Custo de cada banco Cr$ 2.000,00. O Sr. Adolpho Gliese (pai) é o grande articulador da obra, bem como do lar da comunidade e do pavilhão da Av. Presidente Roosevelt do Colégio Concórdia. Era presidente da CELC à época da construção deste templo e, talvez, o seu maior incentivador, o Sr. Luiz A Rauter. A verba necessária para a construção foi obtida através de doações espontâneas e campanha dos tijolinhos e do cimento. A obra somou a importância de Cr$ 1.469.805,20 (um milhão quatrocentos e sessenta e nove mil oitocentos e cinco cruzeiros e vinte centavos) soma altíssima para a época. A capacidade do templo atual é de 450 pessoas.

Em 1959, a CELC inaugurou o novo órgão - adquirido da empresa John Edmundo Bonn de Novo Hamburgo –RS, pela importância de Cr$ 530.000,00 - em culto festivo que contou com a presença do maestro Hans-Gerhardt F. Rothmann ao órgão. Esse novo instrumento de louvor a Deus veio substituir o antigo Harmônio-Órgão, adquirido em 1911 do Seminário Concórdia por permuta, e que serviu à CELC por 43 anos.

 

 

Vista do interior - 1954

 

São 48 anos que nos separam da inauguração do nosso último templo. Ele passou por uma série de reformas que, no entanto, não alteraram em nada a sua estrutura nem o seu estilo, arrojado para a época, mas ainda marcante e muito bonito. Tivemos, por ocasião da instalação do órgão de tubos ainda hoje existente e em perfeitas condições de uso, uma pequena reforma do coro da igreja, que passou de um plano em degraus para uma plataforma única; o calçamento das áreas em torno da igreja receberam piso novo. Mais recentemente, com projeto do engenheiro Carlos Aurélio Altmann foi adicionada na frente da igreja, uma rampa para cadeiras de rodas, o que projetou a escadaria de entrada alguns metros para frente. Colocação de uma nova cerca com grades de ferro mais elevados, muro e portões eletrônicos.

A igreja atual foi construída em plano mais elevado para prevenir futuras e eventuais enchentes.

No ano do seu centenário, a CELC  promove a pintura interna e externa do templo, reforma dos lustres e de toda a instalação elétrica, troca do tapete de entrada – com o logotipo da CELC impresso - e do trilho de acesso e a colocação de carpete no altar, ambos em vermelho. O altar recebe nova iluminação, muito expressiva em todos os sentidos.

(Pesquisa e redação: Glorivaldo Altmann e Marcos Egon Rockstroh)